HIV/AIDS: PANORAMA NACIONAL E DE MINAS GERAIS SOBRE CASOS NOVOS DE INFECÇÃO PELO VÍRUS ENTRE OS ANOS DE 2008 E 2017.

Joyce Ramos Fernandes, Amanda Fontes de Carvalho Pinto, Kaique Antônio Moreno Leão de Azevedo, Rafael Caneschi de Souza, Gisele Aparecida Fófano

Resumo


Introdução: A infecção pelo HIV/AIDS permanece como uma preocupação na perspectiva de órgãos públicos de saúde. O contexto histórico, a abordagem medicamentosa e os desafios sociais devem ser abordados pela comunidade médica a fim de que quebras de paradigmas ainda vigentes permita uma melhor abordagem a tal enfermidade. Objetivo: Demonstrar, por análise de dados, o aumento do número de casos de HIV/AIDS no Estado de Minas Gerais, correlacionando-os com dados nacionais e discutir possíveis fatores causais dessa epidemia. Métodos: Trata-se de um estudo descritivo e quantitativo, cujos dados foram obtidos através do DATASUS e do Núcleo de Vigilância Epidemiológica Ambiental e Saúde do Trabalhador (NUVEAST) entre os anos de 2008 e 2017. Foram utilizados artigos para fundamentação teórica da SCIELO e BVS, sendo a seleção dos mesmos realizados a partir da leitura do título e resumo. Resultados: Este estudo analisou dados do Ministério da Saúde do período de 2008 a 2017 e da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais do período de 2008 a 2018. Conclusão: O aumento no número de novos casos de HIV é uma realidade e um grande desafio para a saúde pública, revelando a necessidade do estabelecimento de políticas para prevenção.


Palavras-chave


HIV, Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, Incidência, Prevalência.

Texto Completo:

PDF

Referências


Magnabosco, GT; Lopes, LM; Andrade, RLP; Brunello, MEF; Monroe, AA; Villa, TCS. Assistência ao HIV/aids: análise da integração de ações e serviços de saúde. Esc Anna Nery 22, 2018. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/ean/v22n4/pt_1414-8145-ean-22-04-e20180015.pdf > Acesso em 11 de março de 2019.

Grego, DB. A epidemia da Aids: impacto social, científico, econômico e perspectivas. ESTUDOS AVANÇADOS 22, 2008. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/ea/v22n64/a06v2264.pdf> Acesso em 11 de março de 2019.

Reis, AC; Santos, EM; Cruz, MM. A mortalidade por aids no Brasil: um estudo exploratório de sua evolução temporal. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, jul-set, 2007. Disponível em < http://scielo.iec.gov.br/pdf/ess/v16n3/v16n3a06.pdf > Acesso em 11 de março de 2019.

Guimarães MDC, Carneiro M, AbreuI DMX, França EB. Mortalidade por HIV/Aids no Brasil, 2000-2015: motivos para preocupação? RevBrasEpidemiol MAIO 2017. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v20s1/1980-5497-rbepid-20-s1-00182.pdf > Acesso em 08 de março de 2019.

Boletim Epidemiológico HIV/AIDS 2018. Secretaria de Vigilância em Saúde – Ministério da Saúde. Disponível em < http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2018/boletim-epidemiologico-hivaids-2018 > Acesso em 08 de março de 2019.

Vieira, ACS; Rocha, MSG; Head, JF; Casimiro, IMAPC. A epidemia de HIV/Aids e a ação do Estado. Diferenças entre Brasil, África do Sul e Moçambique. R. Katál., Florianópolis, v. 17, n. 2, jul./dez. 2014. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/rk/v17n2/1414-4980-rk-17-02-0196.pdf > Acesso em 12 de março de 2019.

Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais – SES. Disponível em < http://www.saude.mg.gov.br/aids > Acesso em 11 de março de 2019.

LENZI, L et al . Suporte Social e HIV: Relações Entre Características Clínicas, Sociodemográficas e Adesão ao Tratamento. Psic.: Teor. e Pesq., Brasília , v. 34, e34422, 2018.Disponível em < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-37722018000100521&lng=en&nrm=iso > Acesso em 11 de março de 2019.

Ultramari, L. Perfil clínico e epidemiológico da infecção pelo HIV/aids em idosos. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2011 jul/set;13(3)405-12. Disponível em< http://www.fen.ufg.br/revista/v13/n3/v13n3a05.htm > Acesso em 11 de março de 2019.

Szwarcwald C.L. e Castilho, E. A. A epidemia de HIV/AIDS no Brasil: três décadas. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 27 Sup1:S4-S5, 2011. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/csp/v27s1/pt_01.pdf > Acesso em 17 março de 2019.

Calazanz, Gabriela J.; Pinheiro, Thiago; Ayres, José Ricardo de Carvalho Mesquita. 2018. “Vulnerabilidade programática e cuidado público: panorama das políticas de prevenção do HIV e da AIDS voltadas para gays e outros HSH no Brasil”. Sexualidad, Salud y Sociedad. N° 29. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/sess/n29/1984-6487-sess-29-263.pdf > Acesso em 14 de março de 2019.

ABIA. Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids. Matéria “A outra pílula azul” da revista Época é preconceituosa e peca na fundamentação. Disponívelem: . Acesso em 17 março de 2019.

Zucchi, Eliana Miura et al. 2018. “Da evidência à ação: desafios do Sistema Único de Saúde para ofertar a profilaxia pré-exposição sexual (PrEP) ao HIV às pessoas em maior vulnerabilidade”. Cad. Saúde Pública. Vol. 34. N° 7 Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/csp/v34n7/1678-4464-csp-34-07-e00206617.pdf > Acesso em 16 de março de 2019.

Souza, TL; Fernandes, RCSC; Medina-Acosta, E. Tratamento para a cusa do HIV-1: “O paciente Berlim” .Revistacientífica da FMC. Vol. 7, n0 1, 2012. Disponível em < http://www.fmc.br/revista/V7N1P09-11.pdf >Acesso em 17 março de 2019.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. SECRETÁRIA DE VIGILÂNCIA, EM SAÚDE. Boletim Epidemiológico: HIV/AIDS 2018 [Online], v. 49, nº 53, 2018. Disponível em < http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2018/boletim-epidemiologico-hivaids-2018 >. Acesso em 12 de Abril de 2019.

MINAS GERAIS. SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE, Boletim Epidemiológico Mineiro, 2018. Disponível em < http://vigilancia.saude.mg.gov.br/index.php/doencas-por-infeccoes-sexualmente-transmissiveis-hiv-aids-hepatites-virais >. Acesso em 12 de Abril de 2019.

MINAS GERAIS. SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE. Análise dos dados de Infecções Sexualmente Transmissíveis HIV/AIDS, Hepatites Virais, Minas Gerais, 2018. Disponível em . Acesso em 12 de Abril de 2019.

Lisboa MES – A invisibilidade da população acima de 50 anos no contexto da epidemia de HIV/aids; 2006. Disponível em . Acesso em 15 de maio de 2019.

Caldas JMP, Gessolo KM - AIDS depois dos 50: um novo desafio para as políticas de saúde pública; 2006. Disponível em . Acesso em 15 de maio de 2019.

Ribeiro A. Sexualidade na terceira idade. In: Carvalho Filho ET, Papaléo Neto M. Geriatria. São Paulo: Atheneu; 1996. p. 124-34. Acesso em 15 de maio de 2019.

Pottes, F.A.; Brito, A.M.; Gouveia, G.C; Araújo, E.C; Carneiro, R.M. Aids e envelhecimento: características dos casos com idade igual ou maior que 50 anos em Pernambuco, de 1990 a 2000. RevBrasEpidemiol 2007; 10(3): 338-51. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v10n3/04.pdf>. Acesso em 15 de maio de 2019.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS). Departamento Nacional de DST/AIDS e Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico- AIDS e DST Brasília: MS, Departamento Nacional de DST/Aids e Hepatites Virais; 2012. Disponível em: < http://www.aids.gov.br/pt-br/centrais-de-conteudos/boletins-epidemiologicos-vertical>. Acesso em 15 de maio de 2019.

Guedes, T. G., Moura, E. R. F., Paula, E. M., Oliveira, N. C., & Vieira, R. P. R. (2009). Mulheres monogâmicas e suas percepções quanto à vulnerabilidade a DST/HIV/AIDS. DST - Jornal Brasileiro de Doenças Sexualmente Transmissíveis, 21(1), 118-123. Disponível em: < http://www.dst.uff.br/revista21-3-2009/4-Mulheres-Monogamicas.pdf >.Acesso em 15 de maio de 2019.

Lenzi,L; Tonin, F.S.; Souza, V.R. Pontarolo,R. Suporte Social e HIV: Relações Entre Características Clínicas, Sociodemográficas e Adesão ao Tratamento. Psic.: Teor. e Pesq. vol.34 Brasília 2018 Epub Nov 29, 2018. Disponível em Acesso em 16 de maio de 2019.

Pereira, G.F.M.; Shimizu H.E.; et al. Epidemiologia do HIV e Aids no Estado do Rio Grande do Sul, 1980-2015. Epidemiol. Serv. Saúde 27 (4) 08 Nov 2018. Disponível em . Acesso em 15 de maio de 2019

Nogueira, A; Teixeira, C, et al. Tendências temporais da infeção pelo vírus da imunodeficiência humana em Portugal: 1984 – 2013. Arq Med vol.29 no.6 Porto dez. 2015. Disponível em . Acesso em 16 de maio de 2019.

Moura, L.N.; Lemos S.M.A. Políticas públicas de saúde e ações de promoção da saúde em HIV/AIDS: revisão da literatura. Revista Médica de Minas Gerais, 2016, volume 26, suplemento 8. Disponível em: .Acesso em 16 de maio de 2019.

Vilarinho, M.V.; Padilha, M.I.; et.al. Políticas públicas de saúde face à epidemia da AIDS e a assistência às pessoas com a doença. Rev Bras Enferm, Brasília 2013 mar-abr; 66(2): 271-7. Disponível em: . Acesso em 16 de maio de 2019

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e aids. Diretrizes para o fortalecimento das ações de adesão ao tratamento para pessoas que vivem com HIV/aids. Brasília: Ministério da Saúde; 2007. Disponível em < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_tratamento_aids.pdf>. Acesso em 18 de maio de 2018.

Seidl EMF. Pessoas vivendo com HIV/AIDS: configurando relações entre enfrentamento, suporte social e qualidade de vida [Tese de Doutorado]. Brasília: Universidade de Brasília; 2001. Disponível em: < https://www.scielosp.org/article/csp/2007.v23n10/2305-2316/>. Acesso em 18 de maio de 2018.

Carvalho CV, Duarte DB, Hamann EM, Bicudo E, Laguardia J. Determinantes da adesão à terapia antirretroviral combinada em Brasília, Distrito Federal, Brasil, 1999-2000. CadSaude Publica 2003; 19:593-604. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0037-86822007000500013>. Acesso em 20 de maio de 2018.

Seidl EMF, Tróccoli BT. Desenvolvimento de escala para avaliação do suporte social em HIV/AIDS. Psic Teor Pesqui 2006; 22:317-26. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-37722006000300008&script=sci_abstract&tlng=es>. Acesso em 18 de maio de 2018.

Seidl, E.M.F.; Tróccoli, B.T.; Zannon, C.M.L.C. Análise fatorial de uma medida de estratégias de enfrentamento. Psicol Teor Pesqui 2001; 17:225-34. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-37722001000300004&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em 18 de maio de 2018.

Cardoso G, Arruda A. As representações sociais da soropositividade e sua relação com a observância terapêutica. CienSaudeColet 2004; 10(1):151-162. Disponível em: . Acesso em 18 de maio de 2018.

Beloqui, Jorge. 2008. “Relativerisk for aids between homo/bisexualandheterosexualmen”. Revista de Saúde Pública. No 42, p. 437-442. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102008000300007 >. Acesso em 17 de maio de 2019.

Maia, L.D.J; et.al. Comportamentos e práticas sexuais de homens que fazem sexo com homens. Rev. bras. enferm. [Internet]. 2014 Dec; 67( 6 ): 886-890. Disponível em: . Acesso em 15 de maio de 2019.

Brignol S, Dourado I. Inquérito sociocomportamental sobre as práticas sexuais desprotegidas entre homens que fazem sexo com homens usuários da Internet. RevBrasEpidemiol[Internet].;14(3):423-34. Disponível em: .Acesso em 15 de maio de 2019.

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transsexuais [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2010. Disponível em: . Acesso em 15 de maio de 2019.

LEAL, Andréa Fachel; KNAUTH, Daniela Riva;COUTO, Márcia Thereza. A invisibilidade da heterossexualidade na prevenção do HIV/Aids entre homens. REV BRAS EPIDEMIOL SET 2015; 18 SUPPL 1: 143-155.Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1415-790X2015000500143&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em 15 de maio de 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Copyright (c) 2022 Joyce Ramos Fernandes, Amanda Fontes de Carvalho Pinto, Kaique Antônio Moreno Leão de Azevedo, Rafael Caneschi de Souza, Gisele Aparecida Fófano