DEFEITOS CONGÊNITOS E DIAGNÓSTICO PRÉ-NATAL

Autores

  • Andressa Antunes Prado de França Faculdade Governador Ozanam Coelho
  • Luiza Lima Oliveira
  • Camila Ramos Machado
  • Mauricio Reis Netto
  • Marco Túlio Moura Bastos
  • Roberto Navarro Rocha Filho
  • Rodrigo Barreto Rodrigues Condé

Palavras-chave:

Diagnóstico pré-natal. Malformação fetal. Gestação de risco.

Resumo

Introdução: O diagnóstico pré-natal é um conjunto de técnicas e abordagens científicas que proporcionam a melhora da qualidade de vida do genitor e de seu feto, a partir das averiguações de distúrbios congênitos ou cromossômicos. Dessa forma, por meio das evidências, o profissional responsável poderá conduzir o melhor tratamento. Objetivo: Investigar os métodos de diagnóstico pré-natal, visando evitar problemas de malformação fetal durante a gravidez, assim como demonstrar as vantagens dos procedimentos de análise, para que profissionais da saúde capacitados possam direcionar os procedimentos preventivos e eventuais tratamentos necessários. Métodos: Realizou-se um estudo transversal com as palavras-chave, que serviram para o embasamento da literatura médica presente no texto, sendo selecionados 20 artigos. Resultado: Os índices de mortalidade perinatal no Brasil são duas ou três vezes superiores quando comparado com os países desenvolvidos. Além disso, as afecções no período perinatal são as primeiras causas de mortalidade neonatal no país, causando um total de 48,5 % dos óbitos maternos no país. Conclusão: O diagnóstico pré-natal permite a adoção de medidas que visam melhorar a evolução desses neonatos com base em terapias intrauterinas, antecipação do parto (em casos mais graves) até o encaminhamento para centros especializados, quando necessário.

Biografia do Autor

Andressa Antunes Prado de França, Faculdade Governador Ozanam Coelho

Professora do Curso de Medicina da Faculdade Governador Ozanam Coelho

Área de atuação: Embriologia, Biologia Molecular do Câncer, Cultivo Celular

Referências

- Machado IN, Heinrich-Muçouçah JKR, Barini R. Testes

genéticos em diagnóstico pré-natal: onde estamos, para

onde vamos. Femina. 2012. Mar/Abr; 40(2):87-96.

- Vettore MV, Dias M, Domingues RMSM, Vettore MV,

Leal MC. Cuidados pré-natais e avaliação do manejo da

hipertensão arterial em gestantes do SUS no Município do

Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2011. Mai;27(5):

-1034.

- Corrêa, Marilena CDV; Guilam, MCR. O discurso do risco

e o aconselhamento genético pré-natal. Cad. Saúde Pública.

22(10): 2141-2149.

- Lansky S.França, E., César, C. C., Monteiro Neto, L. C.,

& Leal, M. D. C. (2006). Mortes perinatais e avaliação da

assistência ao parto em maternidades do Sistema Único de

Saúde em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, 1999. Cad

Saúde Pública, 22(1), 117-30.

- Brunoni, 2002. Aconselhamento genético. Ciênc. Saúde

Coletiva. 2002. 7(1): 101-107.

- Junior PW. Diagnóstico pré-natal. Ciência & Saúde Coletiva.

7 (1):139-157.

- Filho HA, Júnior EA, Júnior CFM, Nardozza LMM, Moron

AF. Avaliação do comportamento fetal por meio da

ultrassonografia de quarta dimensão: conhecimento atual

e perspectivas futuras. Revista da Associação Médica Brasileira.

mai:59(5):507–513.

- Neto CN, Souza, ASR, Filho OBM, Noronha AMB. Validação

do diagnóstico ultrassonográfico de anomalias fetais em

centro de referência. Revista da Associação Médica Brasileira.

abr:55(5): 541-6.

- Junior AJ, Rolo LC, Nardozza, LMM, Moron AF. Avaliação

cardíaca fetal por meio da ultrassonografia 3D/4D (STIC): qual

é sua real aplicabilidade no diagnóstico das doenças cardíacas

congênitas? Rev. Bras Cir Cardiovasc 2013. 28(1): III-V.

- Barros ML, Fernandes DA, Melo EV, Porto RLS, Maia

MCA, Godinho AS, Ferrão TO, Pereira CU. Malformações

do sistema nervoso central e malformações associadas

diagnosticadas pela ultrassonografia obstétrica. Radiol

Bras. 2012. Nov/Dez;45(6):309–314.

- Murta CGV, França LC. Medida da translucência nucal

no rastreamento de anomalias cromossômicas. Rev. Bras.

Ginec. Obstetr. 2002. 24(3): 167-173.

- Saldanha FAT, Brizot ML, Lopes LM, Liao AW, Zugaib M.

Anomalias e prognóstico fetal associados à translucência

nucal aumentada e cariótipo anormal. Rev. Assoc. Med.

Bras. 2009. 55(1): 54-59.

dos; por isso, devem começar, preferencialmente,

antes da 12a semana de gestação.

- Lopes ACV, Pimentel K, Toralles MBP, Almeida AM,

Lopes LV, Junior EA, Nardozza LMM, Moron AF. Estudo

da translucência nucal, ducto venoso, osso nasal e idade

materna na detecção de cromossomopatia fetal em uma

população de alto risco. Radiol. Bras. 2008. 41(2):93–97.

- Bruns RF, Moron AF, Murta CGV, Gonçalves LFA, Zamith

MM. O papel da translucência nucal no rastreamento de

cardiopatias congênitas. Arq Bras Cardiologia. 2006. 87(3):

-314.

- Paravasini I, Arias FG, Rodrigues E, Morales J. Cordocentesis.

Rev. Obstet. Ginecol. Venez. 2001. 61(2): 83-88.

- Levi JE, Wendel S, Takaoka DT. Determinação pré-natal

do sexo fetal por meio da análise de DNA no plasma materno.

Rev. Bras. Ginec. Obstet. 2003. 25(9): 687-690.

- Fonseca MM, Magalhães JA, Papich H, Dias RSP, Schmidt

A. Ultrassonografia em obstetrícia: explorando um

mundo novo. In: Caron NA, org. A relação pais-bebê: da

observação à clínica. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2000.

p.97-118.

- Batista MP, Costa WL, Gomes AC, Amaral WN. Importância

do estudo genético pré-natal. Femina. 2012. 40(1): 5-11.

- Pina C, Pinto F, Rodrigues MC, Santos JL. Escherichia

coli Sepsis Following Second-trimester Amniocentesis.

Arquivos de Medicina. 2008. 22(4-5): 121-122.

- Yamamoto M, Astudillo J, Pedraza D, Muñoz H, Insunza

Á, Fleiderman J, Riveros, R. Tratamiento por fetoscopia del

síndrome de transfusión feto fetal en Clínica Alemana de

Santiago. Rev. Chil. Obstet. Ginecol. 2009. 74(4): 239-246.

Publicado

2016-08-12

Edição

Seção

Artigos de Revisão