PERCEPÇÃO DO AMBIENTE CONSTRUÍDO E SUA RELAÇÃO COM A FUNCIONALIDADE DE IDOSOS

Jean Paulo Andrade Bigonha, Jaqueliine Lopes Salgado, Renata Aparecida Rodrigues Oliveira, Rômulo José Mota Júnior Rômulo

Resumo


A população está cada vez mais reflexiva em relação à terceira idade, buscando, além de viver mais, viver com qualidade, independência e autonomia funcional. Um dos pilares essenciais para longevidade reside na prática de atividades físicas, e o ambiente é peça chave na construção do comportamento dos seres vivos. Assim, o objetivo do presente estudo foi analisar a percepção do ambiente construído e sua relação com a funcionalidade de idosos. Trata-se de um estudo descritivo de corte transversal, realizado com 10 idosas da cidade de Ubá-MG. Foi aplicada a escala de percepção para a prática de atividade física para avaliação da percepção do ambiente construído, bem como o teste de sentar e levantar do solo para avaliação da funcionalidade. Os dados foram apresentados descritivamente, e a relação entre percepção do ambiente construído e funcionalidade foi estabelecida pelo teste de correlação de Pearson. Os principais achados foram: o IMC se relacionou com a funcionalidade dos idosos, enquanto o ambiente construído não estabeleceu essa relação.


Palavras-chave


Ambiente construído. Nível de atividade física. Funcionalidade. Idosos.

Texto Completo:

PDF

Referências


ANDRADE, A. I. N. P. A.; MARTINS, R. M. L. Funcionalidade familiar e qualidade de Vida dos idosos. Millenium, v. 40, p. 185‐199, 2011.

ARAÚJO, C. G. S. Teste de sentar-levantar: apresentação de um procedimento para avaliação em Medicina do Exercício e do Esporte. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 5 n. 5, set./out. 1999.

ARAÚJO, C. G. S.; CASTRO, C. L. B.; FRANCA, J. F. C; ARAÚJO, D. S. Sitting-rising: Sex- and age-reference scores derived from 6141 adults. European Journal of Preventive Cardiology, v. 27 n. 8, p. 888-890, maio 2019.

ARAUJO, C. C. R.; SILVEIRA, C.; SIMAS, J. P. N.; ZAPPELINI, A.; PARCIAS, S. R.; GUIMARÃES, A. C. A. Aspectos cognitivos e nível de atividade física de idosos. Saúde, Santa Maria, v. 41, n. 2, p. 193-202, jul./dez. 2015.

BRITO, K. Q. D.; MENEZES, T. N.; OLINDA, R. A. Incapacidade funcional: condições de saúde e prática de atividade em idosos. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 69, n. 5, p. 825-832, set./out. 2016.

FLORINDO, A. A.; GUIMARÃES, V. V.; FARIAS JÚNIOR, J. C.; SALVADOR, E. P.; SÁ, T. H.; REIS, R. S.; HALLAL, P. C. Validação de uma escala de percepção do ambiente para a prática de atividade física em adultos de uma região de baixo nível socioeconômico. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano, Florianópolis, v. 14 n. 6, nov./dez. 2012.

GIEHL, M. W. C. Associação do ambiente construído e percebido com a caminhada em idosos de Florianópolis: estudo populacional. Repositório Institucional da UFSC, p. 1-196, Florianópolis, 2014.

HINO, A. A. F.; REIS, R. S.; FLORINDO, A. A. Ambiente construído e atividade física: uma breve revisão dos métodos de avaliação. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano, v.12 n. 5, p. 387-394, Florianópolis, 2010.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (Org.). Mudança demográfica no Brasil no início do século XXI: subsídios para as projeções da população. Rio de Janeiro: IBGE, 2015.

IPTD - INSTITUTO DE POLÍTICAS DE TRANSPORTE E DESENVOLVIMENTO. Ferramenta Índice de Caminhabilidade (Walkability Index). Rio de Janeiro, 2019.

MALAVASI, L. M.; DUARTE, M. F. S.; BOTH, J.; REIS, R. S. Escala de mobilidade ativa no ambiente comunitário – News Brasil: Retradução e Reprodutibilidade. Revista Saúde (Santa Maria), v. 39, n. 1, p. 43-53, jan/jul. 2013. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano, v. 9 n. 4, p. 339-350, 2007.

OLIVEIRA, F. A.; PIRAJÁ, W. C.; SILVA, A. P.; PRIMO, C. P. F. Benefícios da prática de atividade física sistematizada no lazer de idosos: Algumas considerações. Licere, Belo Horizonte, v. 18, n. 2, jun. 2015.

RICARDO, D. R.; ARAÚJO, C. G. S. Teste de sentar-levantar: influência do excesso de peso corporal em adultos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 7, n. 2, Niterói-RJ, abr. 2001.

SALLIS, J. F. Measuring Physical Activity Environments: a brief history. American Journal of Preventive Medicine, v. 36, n. 4, p. 86-92, abr. 2009.

SALLIS, J. F.; CERVERO, R. B.; ASCHER, W.; HENDERSON, K. A.; KRAFT, M. K.; KERR, J. An ecological approach to creating active living communities. Annual Reviews, v. 27, p. 297-322, 2006.

SALVADOR, E. P.; FLORINDO, A. A.; REIS, R. S.; COSTA, E. F. Percepção do ambiente e prática de atividade física no lazer entre idosos. Revista Saúde Publica, v. 43, n. 6, p. 972-980, 2009.

SHEPHARD, R. J. Envelhecimento, atividade física e saúde. 1. ed. São Paulo: 2003.

VALER, O. D. B.; BIERHALS, C. C. B. K.; AIRES, M.; PASKULIN, L. M. G. Significado de Envelhecimento Saudável para Pessoas Idosas Vinculadas a Grupos Educativos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 18 n. 4, p. 809-819, out./dez., 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.