NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE FATORES DE RISCO CARDIOVASCULARES

Claudilene Carneiro de Oliveira, Renata Aparecida Rodrigues de Oliveira, Robson Bonoto Teixeira, Victor Neiva Lavorato

Resumo


As doenças cardiovasculares são consideradas uma das principais causas de mortalidade no mundo ocidental. Dessa maneira, este estudo teve o objetivo de avaliar o nível de conhecimento sobre fatores de risco cardiovasculares de profissionais de educação física atuantes em academias de musculação e ginástica na cidade de Ubá-MG. Para isso, foram selecionados 26 profissionais de educação física que trabalhavam em academias de musculação e ginástica na cidade de Ubá-MG, os quais responderam às perguntas elaboradas pelos autores sobre fatores de risco cardiovasculares e ao questionário sobre conhecimento geral, específico e mudanças no estilo de vida, relacionado aos fatores de risco cardiovasculares. A maior parte dos avaliados respondeu incorretamente sobre valores normativos de pressão arterial sistêmica e colesterol e corretamente sobre valores de glicemia de jejum e obesidade. Do total de avaliados, 92% afirmaram conhecer os fatores de risco. Entre os fatores de risco mencionados pelos participantes, 78,2% responderam sedentarismo; 73,9% obesidade; 39,1% dislipidemia, tabagismo, diabetes mellitus e hipertensão arterial sistêmica; 17,3% consumo de álcool; e 13% histórico familiar e estresse. Quando os participantes foram indagados sobre conhecimentos específicos a respeito dos fatores de risco, 96% afirmaram que níveis elevados de glicemia sanguínea, pressão arterial sistêmica e o hábito de fumar influenciam no desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Além disso, 100% afirmaram que a obesidade, níveis elevados de colesterol, sedentarismo, estresse, alimentação, hereditariedade e fumo influenciam no desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Conclui-se que os profissionais de educação física avaliados necessitam melhorar o conhecimento sobre fatores de risco cardiovasculares.


Palavras-chave


Doenças Cardiovasculares. Fatores de Risco. Educador Físico. Exercícios Físicos.

Texto Completo:

PDF

Referências


AMERICAN DIABETES ASSOCIATION. Standards of medical care in diabetes - 2018. Diabetes Care, 2018. 150 p.

ALVES, C. B. et al. Pressão arterial de idosos que praticam atividade física. Arquivos de Ciência do Esporte, v. 1, n. 2, p. 1-5, 2013.

BONOTTO, G. M. et al. Conhecimento dos fatores de risco modificáveis para doença cardiovascular entre mulheres e seus fatores associados: um estudo de base populacional. Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, n. 1, p. 293-302, 2016.

CARNELOSSO, M. L. et al. Prevalência de fatores de risco para doenças cardiovasculares na região leste de Goiânia (GO). Revista Ciência & Saúde Coletiva, Goiânia, v. 15, n. 1, p.1073-1080, 2010.

COELHO, C. F.; BURINI, R. C. Atividade física para prevenção e tratamento das doenças crônicas não transmissíveis e da incapacidade funcional. Revista de Nutrição, v. 22, n. 6, p. 937-946, 2009.

COSTA, M. P. et al. Prevalência de sedentarismo, obesidade e risco de doenças cardiovasculares em frequentadores do ceafir. Colloquium Vitae, v. 3, n.1, p. 22-26, 2011.

DUTRA, D. D. et al. Doenças cardiovasculares e fatores associados em adultos e idosos cadastrados em uma unidade básica de saúde Cardiovascular disease and associated factors in adults and elderly registered in a basic health unit. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online, v. 8, n. 2, p. 4501-4509, 2016.

FERREIRA FILHO, C. et al. Benefícios do exercício físico na hipertensão arterial sistêmica. Arquivos Médicos do ABC, São Paulo, v. 32, n. 2, p. 82-87, 2007.

HALLAL, P. C. et al. Global physical activity levels: surveillance progress, pitfalls, and prospects. The Lancet, v. 380, p. 247-257, 2012.

LAVIE, C. J. et al. Exercise and the cardiovascular system: clinical science and cardiovascular outcomes. Circulation Research, v. 117, n. 2, p. 207-217, 2015.

MACHADO, C. V. Motivos da procura e desistência da prática de atividade física em uma academia de Santa Rosa-RS. Trabalho de Conclusão de Curso (MBA em Gestão Empresarial). Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis Econômicas da Comunicação, Universidade Regional do Noroeste do estado do Rio Grande do Sul. Ijuí, p. 36, 2016.

MAGALHÃES, F. J. et al. Fatores de risco para doenças cardiovasculares em profissionais de enfermagem: estratégia de promoção da saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, Fortaleza, v. 67, n. 3, p. 394-400, 2014.

SAFFI, M. A. L. et al. Validity and reliability of a questionnaire on knowledge of cardiovascular risk factors for use in Brazil. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 47, n. 5, p.1083-1089, 2013.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. I Diretriz brasileira sobre prevenção de doenças cardiovasculares em mulheres climatéricas e a influência da terapia de reposição hormonal (TRH) da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) e da Associação Brasileira do Climatério (SOBRAC). Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 91, n. 1, p. 1-23, 2008.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES (SBD). Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes (2017-2018). São Paulo: Editora Clannad, 2017. 383 p.

VILLELA, F. J. et al. Tendência da Mortalidade por doenças cardiovasculares, isquêmicas do coração e cerebrovasculares. Revista de Enfermagem UFPE online, v. 8, n. 4 p. 3134-41, 2014.

VILLELA, P. B. et al. Evolução da mortalidade por doenças cerebrovasculares e hipertensivas no Brasil entre 1980 e 2012. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Rio de Janeiro, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.