CAPACIDADE FUNCIONAL EM MULHERES DE MEIA IDADE E TERCEIRA IDADE PRATICANTES DE HIDROGINÁSTICA

Leandra de Oliveira Souza, Elizângela Fernandes Ferreira Santos Diniz, Ana Amélia de Souza Pereira, Renata Aparecida Rodrigues de Oliveira

Resumo


Para a terceira idade, é importante a prática de atividade física, pois ajuda a ter autonomia para lidar com as atividades do dia a dia. Para essa faixa etária, a hidroginástica é uma prática de exercício físico que apresenta vantagens, devido ao baixo impacto dos exercícios nas articulações, em razão das propriedades físicas da água. Diante disso, o objetivo do presente estudo foi comparar a capacidade funcional de mulheres da meia idade e terceira idade, praticantes e não praticantes de hidroginástica. Participaram do estudo mulheres com idade entre 40 e 82 anos, de uma cidade do interior de Minas Gerais, na cidade de Astolfo Dutra. Foram aplicados o Questionário Internacional de Atividade Física em sua versão curta e a escala de auto percepção do desempenho em atividades da vida diária, que avalia a capacidade funcional. Constatou-se que as mulheres praticantes de hidroginástica possuem uma média melhor da capacidade funcional (146,70+ 15,76), se comparada à das não praticantes (121,45+ 26,91). Em relação à classificação da capacidade funcional, as praticantes também obtiveram resultados melhores, porém não foi encontrado nenhum resultado ruim ou muito para as mulheres que não praticam a hidroginástica. Conclui-se que mulheres que praticam a hidroginástica possuem melhor capacidade funcional do que mulheres que não a praticam.


Palavras-chave


Capacidade Funcional. Idosas. Exercício Físico.

Texto Completo:

PDF

Referências


AGUIAR, J. B.; GURGEL, L. A. Investigação dos efeitos da hidroginástica sobre a qualidade de vida, a força de membros inferiores e a flexibilidade de idosas: um estudo no Serviço Social do Comércio. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 23, n. 4, p. 340-341, 2009.

ALVES, R. V.; MOTA, J.; COSTA, M. C.; ALVES, J. G. B. Aptidão física relacionada à saúde de idosos: influência da hidroginástica. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, Niterói, v. 10, n. 1, p. 31-34, jan./fev. 2004.

AMORIM, P. R. S.; MIRANDA, M.; CHIAPETA, S. M. V.; GIANICHI, R. S.; SPERANCINE, M. A. C.; OSÉS, A. Estilo de vida ativo ou sedentário: impacto sobre a capacidade funcional. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, v. 23, n. 3, p. 50-52, 2002.

ANDREOTTI, R. A.; OKUMA, S. S. Validação de uma bateria de testes de atividade de vida diária para idosos fisicamente independentes. Revista Paulista de Educação Física, v. 13, n. 1, p. 46-66, 1999.

BELLONI, D.; ALBUQUERQUE, A. C.; RODRIGUES, T. O.; FILHO, M. L. M.; SILVA, V. F. Estudo comparativo entre a autonomia funcional de mulheres idosas praticantes e não praticantes de hidroginástica. Revista de Educação Física, Rio de Janeiro v. 140, n. 1, p. 20-26, 2007.

CIVINSKI, C.; MONTIBELLER, A.; BRAZ, A. L. O. A importância do exercício físico no envelhecimento. Revista da Unibefe (Online), p.164-166, jan./jun. 2011.

COELHO, C. F.; BURINI, R. C.; Atividade física para prevenção e tratamento das doenças crônicas não transmissíveis e da incapacidade funcional. Revista de Nutrição, v. 22, n. 6, p. 937-943, 2009.

CRESS, M. E.; SCHECHTMAN, K. B.; MULROW, C. D.; FIATARONE, M. A.; GERETY, M. B.; BUCHNER, D. M. Relationship between physical performance and self-perceived physical function. Revista de Geriatria, v. 43, n. 2, p. 93-101, 1995.

DINIZ, F.; NEVES, M. P.; HEMONES, R.; FREITAS, V. L. Promoção de saúde e qualidade de vida: uma revisão bibliográfica. Acta Científica, v. 2, n. 2, p. 53-63, 2010.

DUARTE, F. M. E.; FERREIRA, E. F.; BADARÓ, A. C.; OLIVEIRA, R. A. R. Qualidade de vida em praticantes de hidroginástica da meia e terceira idade de UBÁ-MG. Revista Científica Fagoc Saúde, v. 2, p. 54-60, 2017.

FERREIRA, M. M.; FERREIRA, E. F.; TOLEDO, C.; OLIVEIRA, R. A. R. Relação da pratica de atividade física e qualidade de vida na terceira idade. Caderno Científico Fagoc de Graduação e Pós-Graduação, Ubá, v. 1, p. 9-14, 2016.

FERREIRA, O. G. L.; MACIEL, S. C.; COSTA, S. M. G.; SILVA, A. O.; MOREIRA, M. A. S. P. Envelhecimento ativo e sua relação com a independência funcional. Texto & Contexto – Enfermagem. Florianópolis, v. 21, n. 3, p. 514-517, 2012.

FERRETTI, F.; BESKOW, G. C. T.; SLAVIENO, R. C.; RIBEIRO, C.G. Análise da qualidade de vida em idosos praticantes e não praticantes de exercício físico regular. Estudos Interdisciplinares sobre Envelhecimento, Porto Alegre, v. 20, n. 3 p. 738-740, 2015.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Número de idosos cresce 18% em 5 anos e ultrapassa 30 milhões em 2017. 2018. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/20980-numero-de-idosos-cresce-18-em-5-anos-e-ultrapassa-30-milhoes-em-2017. Acesso em: 17 mar. 2020.

INTERNATIONAL PHYSICAL ACTIVITY QUESTIONNAIRE (IPAQ). Scoring Protocol. 2005. Disponível em: http:// www.ipaq.ki.se/scoring.pdf. Acesso em: 24 abr. 2020.

JANUÁRIO, R. S. B.; JÚNIOR, H. S.; LIUTTI, M. C.; DECKER, D.; MOLARI, M. Qualidade de vida em idosos ativos e sedentários. ConScientiae Saúde, Londrina, v. 10, n. 1, p. 112-121, 2011.

MACIEL, M. G. Atividade física e funcionalidade do idoso. Escola de Educação Física, Fundação Helena Antipof., Ibirité, v.16, n. 4, p. 1026-1030, 2010.

MATSUDO, S. M.; MATSUDO, V. K. R.; NETO, T. L. B. Atividade física e envelhecimento: aspectos epidemiológicos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, Niterói, v. 7, n. 1, p. 53-63, 2001.

NETO, M. G.; CASTRO, M. F. Estudo comparativo da independência funcional e qualidade de vida entre idosos ativos e sedentários. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v. 18, n. 4, p. 121-132, 2012.

PADOIN, P. G.; GONÇALVES, M. P.; COMARU, T.; SILVA, A. M. V. Análise comparativa entre idosos praticantes de exercício físico e sedentários quanto ao risco de quedas. Revista O Mundo da Saúde, Santa Maria, v. 34, n. 2, p. 158-164, 2010.

PINTO, A. H.; LANGE, C.; PASTORE, C. A.; LLANO, P. M. P.; CASTRO, D. P.; SANTOS, F. Capacidade funcional para atividades da vida diária de idosos da Estratégia de Saúde da Família da zona rural. Revista Ciência e Saúde Coletiva, Pelotas, n. 21, v. 11, p. 3545-3555, 2016.

PUPO, A. C.; ZOMIGNANI, A. P.; SILVA, G. L. O.; Comparação entre o equilíbrio de idosos praticantes de hidroginástica e idosos sedentários. Revista Multidisciplinar da Saúde, Jundiaí, v. 2, n. 4, p. 5-8, 2010.

REICHERT, T.; PRADO, A. K. G.; KANITZ, A. C.; KRUEL, L. F. M. Efeitos da hidroginástica sobre a capacidade funcional de idosos: metanálise de estudos randomizados. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, Pelotas, v. 20, n. 5, p. 447-457, 2015.

ROMANO, T. A.; FERREIRA, E. F.; GOMES, A. K. V.; OLIVEIRA, R. A. R. Prática de exercício físico na meia e terceira idade: um estudo comparativo dos níveis de capacidade funcional em praticantes de ginástica localizada e não praticantes. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, v. 12, n. 74, p. 370-376, 2018.

SCHNEIDER, R. H.; IRIGARAY, T. Q. O envelhecimento na atualidade: aspectos cronológicos, biológicos, psicológicos e sociais. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 25, n. 4, p. 585-593, 2008.

TAVARES, D. M. S.; DIAS, F. A. Capacidade funcional, morbidades e qualidade de vida em idosos. Texto & Contexto – Enfermagem, Florianópolis, v. 21 n. 1, p. 114-119, jan./mar. 2012.

TEIXEIRA, C. S.; PEREIRA, E. F.; ROSSI, A. G. A hidroginástica como meio para manutenção da qualidade de vida e saúde do idoso. Acta Fisiatr, Santa Maria, v. 14, n. 4, p. 226-232, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.