QUALIDADE DE VIDA DOS INDIVÍDUOS DE MEIA IDADE EM CIDADES NO INTERIOR DE MINAS GERAIS PRATICANTES E NÃO PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO

Bruno Pires Pereira, Elizângela Fernandes Ferreira Santos Diniz, Gustavo Leite Camargos, Renata Aparecida Rodrigues de Oliveira

Resumo


A musculação, por todos os seus benefícios, pode ser uma forte aliada para o envelhecimento com qualidade de vida (QV), visto que, a população de meia idade aumentou sua expectativa de vida, busca-se agregar qualidade em seus dias. Assim, o objetivo do estudo foi avaliar a QV dos indivíduos de meia idade em cidades no interior de Minas Gerais, praticantes e não praticantes de musculação. O presente estudo foi descritivo de corte transversal, em que foram avaliados 60 indivíduos de meia idade, sendo 19 praticantes de musculação e 41 não praticantes, entre os meses de julho e agosto de 2020. Os indivíduos foram classificados como ativos ou inativos por meio do Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ) versão curta. E para avaliar a QV, utilizou-se a versão em português do Questionário World Health Organization Quality of Life/brief (WHOQOL/breve). A média da QV dos praticantes de musculação foi superior (79,92+10,45) à dos não praticantes (68,15 + 13,09). Em relação aos domínios da QV, os praticantes obtiveram valores superiores em todos, quando comparados aos não praticantes (p<0,05). Dessa forma, conclui-se que a musculação pode ser um interessante aliado para a melhora da QV de indivíduos de meia idade.


Palavras-chave


Qualidade de Vida. Envelhecimento. Musculação.

Texto Completo:

PDF

Referências


ALVES, R. V.; MOTA, J.; COSTA, M. C.; ALVES, J. G. B. Aptidão física relacionada à saúde de idosos: influência da hidroginástica. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 10, n. 1, p. 31-37, 2004.

ASSIS, M. Envelhecimento ativo e promoção da saúde: reflexão para as ações educativas com idosos. Revista APS, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 15-24, jan./ jun. 2005.

BENEDETTI, T. R. B.; BENEDETTI, A. L. Musculação na terceira idade. Revista da Educação Física/UEM, v. 1, n. 7, p. 35-40, 1996.

CASTRO, J. C.; BASTOS, F. A. C.; CRUZ, T. H. P.; GIANI, T. S.; FERREIRA, M. A.; DANTAS, E. H. M. Níveis de qualidade de vida em idosas ativas praticantes de dança, musculação e meditação. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 12, n. 2, p. 255-265, 2009.

CIVINSKI, C.; MONTIBELLER, A.; BRAZ, A. L. O. A importância do exercício físico no envelhecimento. Revista da Unifebe, v. 1, n. 09, p. 163-175, 2011.

COSTA, F. R.; RODRIGUES, F. M.; PRUDENTE, C. O. M.; SOUZA, I. F. Qualidade de vida de idosos participantes e não participantes de programas públicos de exercícios físicos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 21, n. 1, p. 24-34, 2018.

DUARTE, F. M. E.; FERREIRA, E. F.; BADARÓ, A. C.; OLIVEIRA, R. A. R. Qualidade de vida em praticantes de hidroginástica da meia e terceira idade de UBÁ-MG. Revista Científica Fagoc Saúde, v. 2, p. 54-60, 2017.

FARINATTI, P. T. V.; SILVA, N. S. L. Treinamento da força para idosos. Revista Brasileira de Fisiologia do Exercício, v. 7, n. 3, p. 151-157, 2008.

FERREIRA, M. M.; FERREIRA, E. F.; TOLEDO, C.; OLIVEIRA, R. A. R. Relação da prática de atividade física e qualidade de vida na terceira idade. Caderno Científico FAGOC de Graduação e Pós-Graduação, v. 1, p. 9-15, 2016.

FLECK, M. P. A.; LOUZADA, S.; XAVIER, M.; CHACHAMOVICH, E.; VIEIRA, G.; SANTOS, L.; PINZON, V. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL-bref”. Revista de Saúde Publica, São Paulo, v.34, n.2, p.178-183, 2000.

GONÇALVES, M. L.; BICALHO, C. C. F.; NOCE, F. Análise da percepção da qualidade de vida em praticantes de musculação de um projeto social. Arquivos de Ciências do Esporte, v. 7, n. 3, p. 114-118, 2019.

GORDIA, A. P.; QUADROS, T. M. B.; JUNIOR, G. B. V.; SOUZA, E. A.; CABRAL, C.; MORAIS, T. B.; JUNIOR, P. K. Q.; CAMPOS, W. Comparação da qualidade de vida de mulheres idosas praticantes e não praticantes de exercício físico. EFDeportes.com, n. 106, 2007.

GUEDES, J. M.; BORTOLUZZI, M. G.; MATTE, L. P.; ANDRADE, C. M.; ZULPO, N. C.; SEBBEN, V.; FILHO, H. T. Efeitos do treinamento combinado sobre a força, resistência e potência aeróbica em idosas. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 22, n. 6, p. 480-484, 2016.

IBGE. Instituto Brasileiro de geografia e Estatística. Censo demográfico. 2010. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/noticias-censo.html?view=noticia&id=3&idnoticia=2170 &busca=1&t=censo-2010-numero-catolicos-cai-aumenta-evangelicos-espiritas-sem-religiao. Acesso em: 17 mar. 2020.

INTERNATIONAL PHYSICAL ACTIVITY QUESTIONNAIRE (IPAQ). Scoring Protocol. 2005. Disponível em: http:// www.ipaq.ki.se/scoring.pdf. Acesso em: 24 abr. 2020.

KRUG, R. R.; LOPES, M. A.; MAZO, G. Z. Barreiras e facilitadores para a prática da atividade física de longevas inativas fisicamente. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 21, n. 1, p. 57-64, 2015.

LARA, S.; WENDT, P.; SILVA, M. L. Comparação da qualidade de vida em mulheres praticantes de Pilates e musculação. ConScientiae Saúde, v. 13, n. 1, p. 134-140, 2014.

MARQUEZ, T. B.; ZAMAI, C. A.; VIEIRA, M. S.; SILVA, S. M.; RODRIGUES, A. A. Treinamento de força em indivíduos de meia e terceira idade. Revista Saúde e Meio Ambiente, v. 2, n. 1, p. 49-57, 2016.

MELO, F. L. S.; SILVA, G. C.; LEITE, L. C.; BORRAGINE, S. O. F. A prática da hidroginástica e sua influência nas atividades de vida diárias do idoso. EFDeportes.com, n. 169, 2012.

MENDONÇA, R. M. S. C.; SOUZA, M. S. C.; FERNANDES, H. M. Influência de diferentes programas de exercício físico na composição corporal e dimensões psicológicas em mulheres. Motricidade, v. 8, n. 2, p. 1023-1031, 2012.

MYNARSKI, J.; SANTOS, L.; VERFFEL, A.; MELLO, D.; BERTICELL, M. W.; OLKOSKI, M. M. Efeitos de diferentes programas de exercícios físicos sobre a composição corporal e a autonomia funcional de idosas com risco de fratura. Revista da Educação Física/UEM, v. 25, n. 4, p. 609-618, 2014.

MORAES, H.; DESLANDES, A.; FERREIRA, C.; POMPEU, F. A. M. S.; RIBEIRO, P.; LAKS, J. O exercício físico no tratamento da depressão em idosos: revisão sistemática. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, v. 29, n. 1, p. 70-79, 2007.

PRADO, R. A.; TEIXEIRA, A. L. C.; LANGA, C. J. S. O.; EGYDIO, P. R. M.; IZZO, P. A influência dos exercícios resistidos no equilíbrio, mobilidade funcional e na qualidade de vida de idosas. O mundo da saúde, v. 34, n. 2, p. 183-191, 2010.

RIBEIRO, J. A. B.; CAVALLI, A. S.; CAVALLI, M. O.; POGORZELSKI, L. V.; PRESTES, M. R.; RICARDO, L. I. C. Adesão de idosos a programas de atividade física: motivação e significância. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 34, n. 4, p. 969-984, 2012.

SILVA, N. L.; BRASIL, C.; FURTADO, H.; COSTA, J.; FARINATTI, P. Exercício físico e envelhecimento: benefícios à saúde e características de programas desenvolvidos pelo LABSAU/IEFD/UERJ. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto, v. 13, n. 2, p. 75-85, 2014.

SPOSITO, G.; DIOGO, M. J. D.; CINTRA, F. A.; NERI, A. L.; GUARIENTO, M. E.; SOUSA, M. L. R. Relações entre o bem-estar subjetivo e a funcionalidade em idosos em seguimento ambulatorial. Revista Brasileira de Fisioterapia, v. 14, n. 1, p. 81-89, 2010.

VECCHIA, R. D.; RUIZ, T.; BOCCHI, S. C. M.; CORRENTE, J. E. Qualidade de vida na terceira idade: um conceito subjetivo. Revista brasileira de epidemiologia, São Paulo, v. 8, n. 3, p. 246-252, 2005.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Division of Mental Health and Prevention of Substance Abuse. WHOQOL User Manual; 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.