Nível de atividade física e qualidade de vida de adultos em regime de trabalho presencial e home office durante a pandemia do Sars-Cov-2

Jefferson Diniz Gregório, Romulo José Mota Junior, Ana Amélia de Souza Pereira, Victor Neiva Lavorato

Resumo


O presente estudo avaliou o nível de atividade física e a qualidade de vida de adultos em regime de trabalho presencial e home office durante o período de pandemia do Sars-CoV-2. Para isso, foram selecionados 193 adultos de ambos os sexos. Esses deveriam responder se estavam trabalhando de forma presencial ou home office. Além disso, os participantes responderam sobre o nível de atividade física através do Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ). Também foi respondido o World Health Organization Quality of Life instrument (WHOQOL-bref), a fim de informar os escores da qualidade de vida. A maior parte tinha de 18 a 25 anos (52,8%) e estavam em home office (81,2%). Tanto os trabalhadores presenciais, assim como os em regime home office, apresentaram-se em grande parte como ativos ou muito ativos (63,4% e 61,3%, respectivamente). O domínio da qualidade de vida de maior escore foi Relações Sociais e o de menor, Meio Ambiente. Não houve diferença entre trabalhadores em regime presencial e home office em relação à qualidade de vida global. Conclui-se que os avaliados apresentaram níveis elevados de atividade física e um baixo escore de qualidade de vida, sendo que essa não foi influenciada pelo regime de trabalho.


Palavras-chave


Isolamento social. Trabalho presencial. Trabalho home office. Atividade física.

Texto Completo:

PDF

Referências


ANTUNES, H. K. M. Exercício físico e função cognitiva: uma revisão. Rev Bras Med Esporte, v. 12, n. 2, 2006.

COELHO, C. F.; BURINI, R. C. Atividade física para prevenção e tratamento das doenças crônicas não transmissíveis e da incapacidade funcional. Rev. Nutr., v. 22, n. 6, 2009.

DYNIEWICZ, A. M., et al. Avaliacão da qualidade de vida de trabalhadores em empresa metalúrgica: um subsídio à prevenção de agravos à saúde. Fisioterapira em movimento, v. 22, n. 3, 2009.

FERENTZ, L. M. S. Análise da qualidade de vida pelo método WHOQOL-BREF: estudo de caso na cidade de Curitiba, Paraná. Estudo & Debate, v. 24, n. 3, 2017.

FLECK, M. P. A. et al. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL-bref”. Revista de Saúde Pública, Porto Alegre, v. 34, n. 2, p. 178-183, 2000.

LEMES, V. B., et al. Efeito das aulas de ginástica escolar nos níveis de atividade física: jump na educação de jovens e adultos (EJA). Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, v. 11, n. 70, p. 863 – 870, 2017.

LIMA, G. O., et al. Nível de atividade física e risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares em acadêmicos do curso de educação física. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, v. 11, n. 68, p. 542-549, 2017.

MASALA, L. A., et al. Qualidade de vida dos estudantes trabalhadores de educação física de uma instituição privada de ensino superior do interior de Minas Gerais. Caderno Científico FAGOC de Graduação e Pós-Graduação, v. 4, n. 2, 2019.

MATSUDO, S. et al. Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, São Paulo, v. 6, n. 2, p. 5-18, 2001.

MELLER, F. O., et al. Qualidade de vida e fatores associados em trabalhadores de uma Universidade do Sul de Santa Catarina. Cadernos Saúde Coletiva, v. 28, n. 1, p. 87 – 97, 2020.

PESQUISA NACIONAL DE SAÚDE. Percepção do estado de saúde, estilos de vida e doenças crônicas. Ministério da Saúde. IBGE. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, 2013.

REIS, A. S. F., et al. Avaliação da influência do nível de atividade física na qualidade de vida do professor universitário. Arq. Ciênc. Saúde, v. 24, n. 1, p. 75 – 80, 2017.

SEIDL, E. M. F.; ZANNON, C. M. L. C. Qualidade de vida e saúde: aspectos conceituais e metodológicos. Revista Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, p. 580-588, 2004.

SILVA, B., et al. Percepção da qualidade de vida, estresse, nível de atividade física e cronotipo em grupo de enfermeiros das unidades de pronto atendimento do Brasil. Revista UILPS, v. 4, n. 2, 2016.

SILVA, R. S. et al. Atividade física e qualidade de vida. Revista Ciência & Saúde Coletiva, Pelotas, v. 15, n. 1, p. 115-120, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.