Dificuldades dos alunos com TDAH no ensino remoto do UNIFAGOC

Natália Martins Caetano Martins Caetano, Graziela Mariano ARRUDA Mariano Arruda, EUZELIA SQUIZZATO Squizzato

Resumo


RESUMO
O aluno com TDAH pode apresentar dificuldades nos estudos, sendo necessário apoio pedagógico e estratégias de trabalho para enfrentar os desafios escolares. Este estudo, qualitativo, objetivou compreender quais foram as maiores dificuldades encontradas por alunos com o TDAH no ensino superior, nas adaptações das aulas presenciais para o ensino remoto e como essas dificuldades foram superadas. Para tanto, foram realizadas entrevistas com três especialistas do núcleo de acessibilidade do Centro Universitário Ozanam Coelho, da cidade de Ubá- MG. Os resultados foram obtidos através do software Iramuteq, criando uma nuvem de palavras. Conclui-se que as dificuldades encontradas por alunos que apresentam o TDAH são superadas com o apoio do Núcleo de Acessibilidade e com o apoio dos professores, criando estratégias de superação das dificuldades, para que o ensino seja significativo e de qualidade, ajudando-os a superar todas as barreiras enfrentadas


Palavras-chave


TDAH. Inclusão. Ensino remoto. Dificuldades.

Texto Completo:

PDF

Referências


ALVES, ELISANGELA PASCOA. TDAH: Dificuldades de aprendizagem, estratégias de intervenções pedagógicas. Disponível em: http://calafiori.edu.br/wp-content/uploads/2019/09/TDAH-Dificuldades-de-aprendizagem-estrat%C3%A9gias-de-interven%C3%A7%C3%B5es-pedag%C3%B3gicas..pdf. Acesso em 24 de ago. de 2020. AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION et al. DSM-5: Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Artmed Editora, 2014.Disponível em: https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=QL4rDAAAQBAJ&oi=fnd&pg=PT13&dq=Manual+diagn%C3%B3stico+e+estat%C3%ADstico+de+transtornos+mentais:+DSM-5&ots=nQ6JuFx9CY&sig=SlDpaekjAjYM9FA4asuUNSkwClE#v=onepage&q=Manual%20diagn%C3%B3stico%20e%20estat%C3%ADstico%20de%20transtornos%20mentais%3A%20DSM-5&f=false. Acesso em 23 de ago. de 2020. BOCCATO, V. R. C. Metodologia da pesquisa bibliográfica na área odontológica e o artigo científico como forma de comunicação. Rev. Odontol. Univ. Cidade São Paulo, São Paulo, 18(3), 265-274. 2006. BRASIL, lei n°13.146 de julho de 2015. Presidência da República. Brasília. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm Acesso em 02 de setemb. de 2020. BRASIL, S. F. Constituição da república federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal. 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em 03 de setemb. de 2020. BRASIL, lei n°9.394 de 20 de dezembro de 1996. Presidência da República: Casa Civil. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em 03 de set. de 2020. CALIMAN, L. V. Notes on the official history of attention deficit/hyperactivity disorder ADHD. Psicologia: Ciência e Profissão, 30(1), 46-61. 2010. COSTA MONTEIRO, B. C. TDAH: Proposta de tratamento clínico para crianças e adolescentes através da terapia cognitivo-comportamental. Saúde e Desenvolvimento Humano, 2(1), 101-108. 2014.

CAMARGO, B. V., JUSTO, A. M. Tutorial para o uso do software de análise textual IRAMUTEQ. Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil. 2013. CRUZ, M. G. A., OKAMOTO, M. Y., & FERRAZZA, D. D. A. O caso Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) e a medicalização da educação uma análise a partir do relato de pais e professores. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 20, 703-714. 2016.

DESIDÉRIO, R. C., & de OS MIYAZAKI, M. C. Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH): orientações para a família. Psicologia Escolar e Educacional, 11(1), 165-176. 2007. FEDERAL, S. Comissão de Educação e Cultura. Projeto Educação. 2010. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=B271CBB1D9A129AF658A22F62ACD95A5.proposicoesWeb1?codteor=1343620&filename=Tramitacao-PL+7081/2010. Acesso em 02 de set. de 2020. FLICK, U. Entrevista episódica. Em M. W. Bauer & G. Gaskell, G. (Orgs.), Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático (pp. 114-136). (P. A. Guareschi) 2002. GRAEFF, Rodrigo Linck; VAZ, Cícero E. Avaliação e diagnóstico do transtorno de déficit de hiperatividade (TDAH). Psicologia USP, v. 19, n. 3, p. 341-361, 2008.Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/3051/305123728005.pdf Acesso em 24 de ago. de 2020. MATTOS, P., & COUTINHO, G. Qualidade de vida e TDAH. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 56, 50-52. 2007. MATTOS, P. Minorias étnicas e TDAH. Disponível em: https://tdah.org.br/minorias-etnicas-e-tdah/ Acesso em 2 de out. de 2020. NETO, M. R. L. TDAH ao longo da vida. Artmed Editora. 2009. PORTARIA MEC n 544 de 16 de junho de 2020. Diário da união. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-544-de-16-de-junho-de-2020-261924872 Acesso em 16 de outubro de 2020. SANTANA, Priscila F. A inclusão do jovem adulto com TDAH no ensino superior. 2019. Disponível em: http://repositorio.aee.edu.br/jspui/bitstream/aee/1154/1/A%20INCLUS%c3%83O%20DO%20JOVEM%20ADULTO%20COM%20TDAH%20NO%20ENSINO%20SUPERIOR.pdf Acesso em 23 de ago. SCHMITZ, M., POLANCZYK, G., & ROHDE, L. A. P. TDAH: remissão na adolescência e preditores de persistência em adultos. Jornal brasileiro de psiquiatria, 56, 25-29. 2007. STROH, J. B. TDAH-diagnóstico psicopedagógico e suas intervenções através da Psicopedagogia e da Arteterapia. Construção psicopedagógica, 18(17), 83-105. 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.