O MATERIAL DIDÁTICO NO ENSINO HÍBRIDO DO CURSO DE PEDAGOGIA DO UNIFAGOC: estudo sobre a sua relevância para o desenvolvimento acadêmico dos estudantes

Sulamita Almeida Cardoso Gonçalves, Ana Amélia de Souza Pereira

Resumo


No ensino híbrido, deve-se ter alguns cuidados na produção do material didático, pois, ele deve ser de fácil compreensão e um instrumento facilitador tanto para o aluno como para o professor. Este trabalho teve como objetivo geral investigar a visão do aluno e do professor sobre a produção do material didático no ensino híbrido do UNIFAGOC, no curso de Pedagogia. Já os objetivos específicos visam a analisar os principais pontos para a produção do material didático no ensino híbrido; pesquisar as abordagens utilizadas pelos professores na produção do material didático e, por fim, analisar a influência do material didático no processo de ensino aprendizagem. Foram utilizados dois questionários mistos direcionados aos professores e também para os alunos e a análise de dados foi processada por meio do software Iramuteq e do programa Excel da Microsoft Office 365. Conclui-se que o material didático tem a função de auxiliar no processo de ensino aprendizagem, podendo ser utilizado em vários formatos. Esse material é apresentado como elemento de construção de conhecimento, que ajuda muito na formação dos educandos e apoia também os educadores na aplicação dos conteúdos.


Texto Completo:

PDF

Referências


AMARO, A; PÓVOA, A; MACEDO, L. A arte de fazer questionários. Porto, Portugal: Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, 2005.

BACICH, L.; TANZI NETO, A.; TREVISANI, F. M. Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Penso Editora, 2015.

BANDEIRA, D. Materiais didáticos. Curitiba, PR: IESDE,2009.

BOLLELA, V. R; CESARETTI, M. L. R. Sala de aula invertida na educação para as profissões de saúde: conceitos essenciais para a prática. Rev. Eletr. Farm., v. 14, n. 1, p. 39-48, 2017.

BONOMA, T. V. Case Research in Marketing: Opportunities, Problems, and Process. Journal of Marketing Research, Vol XXII, May 1985.

BRANSFORD, J. D.; BROWN, A. L.; COCKING, R. R. How people learn: Brain, mind, experience, and school. Washington, D.C.: National Academy Press, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria n°2.117, de 6 de dezembro de 2019. Publicado em: 11/12/2019, edição: 239. Seção: 1, Página: 131 Órgão: Ministério da Educação/Gabinete do Ministro.

CAMARGO, B. V., & JUSTO, A. M. IRAMUTEQ: um software gratuito para análise de dados textuais. Temas em psicologia, 21(2), 513-518, 2013. Disponível: https://www.redalyc.org/pdf/5137/513751532016.pdf. Acessado em: 03 maio. 2020.

CAMILLO, M. C. Blended Learning: uma proposta para o ensino híbrido. Revista EaD & Tecnologias Digitais na Educação, Dourados, MS, 2017 – n° 7, Vol. 5.Disponível em: file:///C:/Users/ICMaranata%20Ub%C3%A1/Downloads/6660-22225-1-PB%20(1).pdf. Acesso em: 16 abr.2020.

CHAVES F. H. et al. Educação a distância em organizações públicas: mesa-redonda de pesquisa-ação. Brasília: ENAP, p.200, 2006. Disponível em: www.enap.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download&gid=2312. Acesso em: 16 abr.2020.

CROUCH, C. H.; MAZUR, E. Peer Instruction: Ten years of experience and results. American Journal of Physics, v. 69, p. 970-977, 2001.

DALFOVO, M. S; LANA, R. A; SILVEIRA, A. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista interdisciplinar científica aplicada, v. 2, n. 3, p. 1-13, 2008.

DIEHL, A. A. Pesquisa em ciências sociais aplicadas: métodos e técnicas. São Paulo: Prentice Hall, 2004.

EDUCAUSE. Things you should know about flipped classrooms. 2012. Disponível em: http://net.educause.edu/ir/library/pdf/eli7081.pdf. Acesso em: 16 abr.2020.

FILATRO, A. Como preparar conteúdo para EAD: Guia rápido para professores e especialistas em educação a distância, presencial e corporativa. 1 ed. São Paulo: Saraiva Educação SA, 2018.

FREITAS, O. Equipamentos e materiais didáticos. Brasília: Universidade de Brasília, 2009.

FULTON, K. Upside down and inside out: Flip Your Classroom to Improve Student Learning. Learning & Leading with Technology, v. 39, n. 8, p. 12-17, 2012.

GABARRONE, M. R. Cocriação didática-o processo colaborativo de produção de material didático para curso semipresencial (Doctoral dissertation, Universidade de São Paulo) 2017.

GERHARDT, T. E; SILVEIRA; D. T. Métodos de pesquisa. Coordenado pela Universidade Aberta do Brasil – UAB/UFRGS e pelo Curso de Graduação Tecnológica – Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural da SEAD/UFRGS. – Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009. Disponível em: http://www.ufrgs.br/cursopgdr/downloadsSerie/derad005.pdf. Acessado em: 18 maio.2020.

GIL, A. C. Como classificar as pesquisas. Como elaborar projetos de pesquisa, v. 4, p. 44-45, 2002. Disponível em: http://www.madani.adv.br/aula/Frederico/GIL.pdf. Acessado em 03 maio. 2020.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GONÇALVES, M. M. Relação espaço e tempo na prática pedagógica na Educação a Distância do IFMG Campus Ouro Preto. Projetos e Dissertações em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento, v. 4, n. 1, 2015.

GÜNTHER, H. Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa: esta é a questão. Psicologia: teoria e pesquisa, v. 22, n. 2, p. 201-210, 2006.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Metodologia do Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2013.

LÁZARO, A. C; SATO, M. A. V; TEZANI, T. C. R. Metodologias ativas no ensino superior: o papel do docente no ensino presencial. CIET: EmPED, 2018.

LEMOS, A. D. D. et al. Excel. Centro Universitário de Anápolis – UniEVANGÉLICA. 2018. Disponível em: http://repositorio.aee.edu.br/bitstream/aee/1137/1/Excel.pdf. Acessado em: 03 Maio. 2020.

MANZATO, A. J; SANTOS, A. B. A elaboração de questionários na pesquisa quantitativa. Departamento de Ciência de Computação e Estatística–Universidade de Santa Catarina. Santa Catarina, 2012.

MASETTO, M. T. Mediação pedagógica e o uso da tecnologia. In: MORAN, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. (Orgs.). Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Papirus, 2012.

MORAN, J. M. A educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. Papirus Editora, 2007.

MORAN, J. M., “O vídeo na sala de aula”. In: Revista Comunicação & Educação. São Paulo, ECA-Ed. Moderna, [2]: 27 a 35, jan./abr. de 1995.

MOREIRA, M. D. F; NÓBREGA, M. M. L; SILVA, M. I. T. Comunicação escrita: contribuição para a elaboração de material educativo em saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 56, n. 2, p. 184-188, 2003.

NOGUEIRA, M. L. Reflexões sobre elaboração de material didático para educação a distância: uma experiência CEAD-UNIRIO. Dissertação (mestrado) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Departamento de Artes e Design, 2012.

PIAGET, J. O nascimento da inteligência na criança. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1987.

RODRIGUES, W. C. Metodologia científica: conceitos e definições. FAETEC/IST Paracambi, 2007.

SANTOS, F. M. F; ALVES, A. L; PORTO, C. D. M. Educação e tecnologias. Revista Científica da FASETE, p. 44, 2018.

SANTOS, S. C D. O processo de ensino-aprendizagem e a relação professor-aluno: aplicação dos" sete princípios para a boa prática na educação de Ensino Superior". REGE Revista de Gestão, v. 8, n. 1, 2010.

SILVA, A. R. L. D. Diretrizes de design instrucional para elaboração de material didático em EaD: uma abordagem centrada na construção do conhecimento. Dissertação (Mestrado em Engenharia e Gestão do conhecimento). UFSC, Florianópolis, SC, 2013.

SILVA, E. T. A formação inicial do pedagogo para o uso das tecnologias digitais da informação na educação básica: a percepção do estudante para o uso de tecnologias digitais na prática docente. In: Simpósio Nacional de Tecnologias Digitais na Educação. São Luís, MA, 2016.

SILVA, M. Educação online: teorias, práticas, legislação, formação corporativa. Edições Loyola, 2003.

SPINK, P. K. Pesquisa de campo em psicologia social: uma perspectiva pós-construcionista. Psicologia & Sociedade, v. 15, n. 2, p. 18-42, 2003.

STAKER, H.; HORN, M. B. Classifying K–12 blended learning. Mountain View, CA: Innosight Institute, Inc. 2012.

SUHR, I. R. F. Desafios no uso da sala de aula invertida no ensino superior. Revista Transmutare, Curitiba, v. 1, n. 1, p. 4-21, 2016.

TORI, R. Cursos híbridos ou blended learning. In: LITTO, F. et al. Educação à Distância: o estado da arte,1, 121-128. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2009.

VALENTE, J. A. Aprendizagem Ativa no Ensino Superior: a proposta da sala de aula invertida. Depto. de Multimeios, Nied e GGTE-Unicamp & Ced–PucSP, 2013.

VALENTE, J. A. Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista, n. 4, p. 79-97, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.