REFLEXÕES SOBRE GÊNERO: O QUE DIZEM AS PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL?

Mariana Carvalho Moreira, Ludmilla Carneiro Araujo

Resumo


Este trabalho teve como objetivo analisar as falas de quatro professoras sobre a presença da mulher na Educação Infantil e trazer algumas reflexões sobre a categoria de gênero. Para tanto, foi realizada uma pesquisa qualitativa e entrevistas semiestruturadas com quatro professoras atuantes em turmas de Educação Infantil. Foi possível perceber que as professoras, de modo geral, entendem a presença da mulher na docência infantil como algo construído social e culturalmente, a partir da associação do cuidar com a Educação Infantil e a ideia de maternidade como algo inato da mulher. Foi constatado que, rompendo com esse paradigma, poderá haver maior valorização do profissional da Educação Infantil e deste importante seguimento de ensino. Pudemos supor, a partir dessa pesquisa, que através da desconstrução desses valores considerados naturais, será possível obter novas referências ao educador e dar um novo sentido à atuação deste profissional.


Palavras-chave


Gênero. Educação Infantil. Estereótipos. Modos de ser mulher

Texto Completo:

PDF

Referências


BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei 9.394. Brasília, 20 de dezembro 1996.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: Educação Infantil e Ensino Fundamental. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica, 2017.

BORBA, Tatiane Nascimento de; GUIZZO, Bianca Salazar. Representações de Maternidade/Paternidade em Materiais Didáticos Contemporâneos: Um Estudo a partir das questões de Gênero. RECH- Revista Ensino de Ciências e Humanidades – Cidadania, Diversidade e Bem Estar. Ano 4, Vol. VI, Número 1, Jan- Jun, 2020, p. 322-340. Disponível em: file:///C:/Users/Ludmila/Downloads/7578-Texto%20do%20artigo-20852-1-10-20200529.pdf Acesso em: 25/11/2020

CARVALHO, I. C. M. Biografia, Identidade e Narrativa: elementos para uma análise hermenêutica. Revista Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 9, n. 19, p. 283-302, julho de 2003.

GOMES, R. F. F.; ARAUJO, M. F. Gênero no cotidiano da creche: mãe, mulher ou educadora infantil? Temas em Educ. e Saúde, Araraquara, SP, Brasil. 2004.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação. Uma perspectiva pós - estruturalista Guacira Lopes Louro - Petrópolis, RJ, Vozes, 1997.

MARCONDES, G. S. FERRARI, A. Formação inventiva de uma professora-pesquisadora no encontro com mulheres ciganas: pesquisa-intervenção e estudos foucaultianos. Mnemosine Vol.16, nº1, p. 85-107. 2020.

NARVAZ, Martha Giudice; KOLLER, Sílvia Helena. Famílias e patriarcado: da prescrição normativa à subversão criativa. Psicol. Soc. vol.18 no.1 Porto Alegre Jan./Apr. 2006

PEREIRA, Ivanete Fernandes; CAMPOS, Míria Izabel. Surgimento das Instituições de Atendimento à Criança e a Mulher Trabalhadora: Uma Relação Histórica. Horizontes – Revista de Educação, Dourados, MS, v.3, n5, janeiro a junho de 2015.

REY, F. L. G. Pesquisa qualitativa em psicologia. São Paulo: Pioneira/Thomson Learning, 2002.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, v. 20, n.02, p. 71-99, 1995.

ZIBETTI, Marli Lúcia Tonatto. O que pensam professoras de educação infantil sobre a feminização da profissão docente?. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED. ANPED: 30 ANOS DE PESQUISA E COMPROMISSO SOCIAL, 30., 2007, Caxambu. Anais... Caxambu/MG: ANPED, 2007, p. 01-15. Disponível em: http://30reuniao.anped.org.br/trabalhos/GT23-3041--Int.pdf Acesso em: 29 out. 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.