O PAPEL DA AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL INTEGRAL: um estudo sobre a relação professor-aluno

Ariane Palma Pires Amorim Ariane, Lara Fernandes Lessa Lara, Amanda Juliana do Carmo Amanda

Resumo


A escola de ensino integral está cada vez mais presente na sociedade, recebendo crianças em diferentes fases do desenvolvimento. Nesse sentido, os educandos têm passado mais tempo na escola do que com a família, o que implica uma necessária compreensão sobre a relação professor-aluno. Sendo assim, este estudo de caso teve como objetivo compreender o papel da afetividade entre professor e aluno do ensino de período integral, em uma escola de educação infantil da rede privada, da cidade de Ubá-MG. Para tanto, foram realizadas entrevistas com professoras e uma mãe da referida escola. Os resultados, obtidos através da análise de conteúdo, revelaram que a afetividade acontece de forma positiva. Contudo, nesse contexto de ensino, os professores percebem que ainda falta maior diálogo entre família e escola.


Texto Completo:

PDF

Referências


ALENCASTRO, Clarice Escobar. As relações de afetividade na educação infantil. Trabalho de conclusão de TCC – Graduação em Pedagogia. Porto Alegre, 2009. Disponível em: http://peadalvorada09.pbworks.com/f/afetividade.pdf. Acesso em: 22 de mar. de 2020.

ALVES, Joana D’arc Moreira. Escola de tempo integral: uma reflexão sobre suas contribuições e seus desafios, considerando a diversidade e a inclusão. Itinerarius Reflectionis, 7(1), 2011. Disponível em: https://doi.org/10.5216/rir.v2i11.1229. Acesso em: 05 maio de 2020.

AMORIM, Joseane Maria de Aguiar. Docência e Educação Integral: percepções das professoras da escola básica adotiva Liberato Valentim. Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Educação Integral, Florianópolis, 2013. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/105647/Joseane%20Maria%20de%20Aguiar%20Amorim.pdf?sequence=1. Acesso em: 05 maio de 2020.

AUNIPEDAG, 2015. Disponível em: http://aunipedag.com.br/arquivos/Revista_Aunipedag_20_10_15.pdf. Acesso em: 05 maio de 2020.

BRASIL. Lei de diretrizes e Bases da Educação Nacional. 1996. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/lei9394_ldbn1.pdf. Acesso em: 22 de mar. de 2020.

BRASIL. Lei nº 10.172 - Estabelece o Plano Nacional de Educação. 2001. Disponível em: http://pne.mec.gov.br/. Acesso em: 05 maio 2020.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 1977.

CARVALHO, Arlete Maria de; FARIA, Moacir Alves de. A construção do afeto na Educação. Revista Saberes da Educação.v.1, nº1, 2010. Disponível em: http://docs.uninove.br/arte/fac/publicacoes/pdfs/arlete.pdf. Acesso em: 22 de mar. de 2020.

COSTA, Gisele Ferreira da Costa. O afeto que educa: afetividade na aprendizagem. TCC – Graduação em Pedagogia. Universidade Federal de Juiz de Fora, 2017. Disponível em ufjf.br/pedagogia/tccs. Acesso em: 05 maio de 2020.

MEDINA, Mônica Ribeiro. A educação infantil e a pesquisa participante. 2008. Dissertação (Mestrado em Educação) – Unisal – Centro Universitário Salesiano de São Paulo, São Paulo. Disponível em: https://unisal.br/wp-content/uploads/2013/04/Disserta%C3%A7%C3%A3o_Monica-Medina.pdf . Acesso em: 22 de mar. de 2020.

OLIVEIRA, W.M. Uma abordagem sobre o papel do professor no processo ensino/aprendizagem. Inesul, Londrina, p.1-12, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.