CAPACIDADE FUNCIONAL E RISCO DE QUEDAS EM IDOSOS PRATICANTES DE EXERCÍCIO FÍSICO E NÃO PRATICANTES DA CIDADE DE GUIDOVAL-MG

Getúlio Martins Araújo, Gustavo Leite Camargos, Bianca Christian Medeiros Sales, Paolla Bárbara Silva De Oliveira, Rômulo José Mota Júnior

Resumo


Ao envelhecer, se da inicio a um processo de perda fisiológica do organismo, podendo com essa perda gerar incapacidade funcional levando o idoso sofrer quedas. Em sua prevenção, estudos apresentam que a prática de exercícios físicos, até mesmo grupos de convivências pode interferir positivamente. Diante do exposto, este estudo teve como objetivo avaliar a capacidade funcional e o risco de quedas entre idosos ativos e não ativos da cidade de Guidoval-MG. Foi realizado um estudo descritivo, de corte transversal, em um total de 30 idosos, através da aplicação do questionário Katz- Atividades Básicas da Vida Diária para avaliar a capacidade funcional do idoso e a ESCALA DE EFICÁCIA EM QUEDAS – INTERNACIONAL (FES-I) para avaliar o risco de quedas. Foram avaliados cada resposta dos questionários e solucionado através do critério do servidor ou profissional se á uma boa capacidade funcional, e se ocorre risco de quedas. Os dados foram apresentados descritivamente e comparados entre os grupos de idosos conforme a sua distribuição. O presente estudo demonstrou que os idosos ativos possuem uma melhor capacidade funcional para realizar as atividades básicas da vida diária em relação ao grupo inativo, demonstrou a eficiência do exercício físico na vida do idoso. De forma onde reduz as chances de ocorres quedas, precavendo ainda mais sua saúde. Conclui-se que atividade física tem influencia direta e positiva na vida dos idosos.

Palavras-chave


Capacidade funcional; Risco de Quedas; Idosos; Envelhecimento

Texto Completo:

PDF

Referências


ALVES, L. C. et al. A influência das doenças crônicas na capacidade funcional dos idosos do Município de São Paulo, Brasil. Caderno de Saúde Publica, v. 23, n. 8: p. 1924-1930, 2007.

ANDRADE, Wendel Sandro de Oliveira. Material didático sobre elaboração de artigos científicos e monografias. Metodologia da Pesquisa Científica, 2007. Ubá, MG: FAGOC.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT, Rio de Janeiro. Normas ABNT sobre documentação. Rio de Janeiro, 2000. (Coletânea de normas).

ANTES, D. L. et al. Medo de queda recorrente e fatores associados em idosos de Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Caderno de Saúde Publica, v. 29, n. 4: p. 758-768, 2013.

BARBOSA, B. R. et al. Avaliação da capacidade funcional dos idosos e fatores associados à incapacidade. Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, n. 08: p. 3318, 2013.

CAMARGOS, F. F. O. et al. Adaptação transcultural e avaliação das propriedades psicométricas da Falls Efficacy Scale – Internacional em idosos brasileiros (FES-I-BRASIL). Revista Brasileira de Fisioterapia, v. 14, n. 3: p. 247-43, 2010.

CAPORICCI, S., NETO, M. F. O. Estudo comparativo de idosos ativos e inativos através da avaliação das atividades da vida diária e medição da qualidade de vida. Motricidade, v. 7, n. 2: p. 15-24, 2011.

DIAS, R. G. et al. Diferenças nos aspectos cognitivos entre idosos praticantes e não praticantes de exercício físico. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v. 63, n. 4: p. 327-331, 2014

GOZZI, S. D. et al. Impacto das academias da terceira idade: comparação da capacidade motora e cognitiva entre praticantes e não praticantes. Conscientae Saúde, v. 15, n. 1: p. 15-23, 2016).

MATSUDO, S. M. et al. Impacto do envelhecimento nas variáveis antropométricas, neuromotoras e metabólicas da aptidão física. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v. 8, n. 4, p. 21-32, 2000.

NAKATANI, A.Y.K. et al. Capacidade funcional e em idosos na comunidade e propostas de intervenções pela equipe de saúde. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 11, n. 1: p. 144-150, 2009.

PIMENTEL, R. M., SCHEICHER, M. E. Comparação do risco de quedas em idosos sedentários e ativos por meio da escala de equilíbrio de Berg. Fisioterapia e Pesquisa, v. 16, n. 1: p. 6-10, 2009.

SANTOS. G. S., CUNHA. I. C. Avaliação da capacidade funcional de idosos para o desempenho das atividades instrumentais da vida diária: um estudo na atenção básica em saúde. Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro, v. 03, n. 03: p. 820-828, 2013.

SILVA, T. O. et al. Avaliação da capacidade física e quedas em idosos ativos e sedentários da comunidade. Revista Brasileira Clinica de Medicina, v. 8, n. 5: p. 392-8, 2010.

SILVEIRA, M. B. et al. Construção e validade de conteúdo de um instrumento para avaliação de quedas em idosos. Einstein, v. 16, n. 2: p. 1-8, 2018.

SINATO, C. M. et al. Avaliação funcional do idoso. Instituto Paulista de Geriatria e Gerontologia “José Ermírio de Moraes”, p. 14, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.