OS JOGOS DIGITAIS EDUCATIVOS: a influência da tecnologia no cotidiano das crianças

Naihany Lacerda Monteze, Ana Amélia de Souza Pereira

Resumo


É inegável e inevitável a utilização das tecnologias digitais por parte das crianças e, com o uso adequado e acompanhado pelos familiares, pode-se obter resultados positivos. Este trabalho possui como objetivo geral analisar como os jogos digitais podem influenciar de maneira positiva no aprendizado das crianças fora do ambiente escolar. A metodologia utilizada para este artigo foi uma pesquisa de natureza qualitativa sem a utilização de estatística para análise, bibliográfica através de livros, artigos e conteúdos disponibilizados na Internet e descritiva, pois registra e descreve fatos e acontecimentos da realidade do tema proposto. Foi utilizada a aplicação de um questionário, através da plataforma Google Forms, a cinco famílias com crianças de 2 a 5 anos de idade, moradoras na cidade de Ubá – MG. Para analisar as respostas obtidas, utilizou-se o software Iramuteq para criar uma nuvem de palavras e o Excel da Microsoft Office 365 para geração de gráfico. Conclui-se que, ao utilizar de forma adequada e rotineira, dentro da residência familiar, os jogos digitais podem, sim, trazer bons ensinamentos e avanços nos aspectos cognitivo, social e psicomotor das crianças. Sabe-se que há conteúdos diversos dentro da Internet e dos aparelhos eletrônicos, mas a maioria dos pais questionados afirmam permitir o uso de jogos de caráter educativo, que possam ser um apoio à aprendizagem, além de ajudarem, quando brincam juntos, a relação paternal e, até mesmo, fraternal. Além do exposto, ainda há o fato de que os jogos digitais são prazerosos para as crianças e elas acabam por aprender brincando, sem pressão, com personagens e brincadeiras de seu interesse.


Texto Completo:

PDF

Referências


A IMPORTÂNCIA DA ROTINA PARA AS CRIANÇAS. Escola da Inteligência. 2019. Disponível em: https://escoladainteligencia.com.br/a-importancia-da-rotina-para-criancas/. Acesso em: 27 de maio de 2020

ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini; PRADO, M. E. B. B. ; Tornaghi, A. ; CAIAFA, U.; Amaral, A. L. . Tecnologia na Educação: ensinando e aprendendo com as TIC. 2008. (Apresentação de Trabalho/Outra).

ALVES, L. Jogos eletrônicos e SCREENAGENS: possibilidades de desenvolvimento e aprendizagem. In: SILVA, Eliane M.; MOITA, Filomena; SOUSA, Robson P. Jogos eletrônicos: construindo novas trilhas. Campina Grande: EDUEP, 2007.

AZUMA, Eduardo Akira. Considerações iniciais sobre a internet e o seu uso como instrumento de defesa dos direitos humanos, mobilização política e social. 2005. V.43. n. 0.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br Acesso em: 14 de abril de 2020.

CAMARGO, Brigido Vizeu; JUSTO, Ana Maria. IRAMUTEQ: um software gratuito para análise de dados textuais. Temas em psicologia, v. 21, n. 2, p. 513-518, 2013.

CHAGAS, Anivaldo Tadeu Roston. O questionário na pesquisa científica. Administração on line, v. 1, n. 1, 2000.

DIAS, Natália Ferreira; ROSALEN, Marilena. MINECRAFT: UMA ESTRATÉGIA DE ENSINO PARA APRENDER MAIS JOGANDO. SIED: EnPED-Simpósio Internacional de Educação a Distância e Encontro de Pesquisadores em Educação a Distância, 2014.

GODOY, Arilda Schmidt. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de empresas, p. 20-29, 1995.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Froebel e a concepção de jogo infantil. Revista da faculdade de educação, v. 22, n. 1, p. 145-167, 1996.

LINHARES, Thiago Tavares. A proteção da criança e do adolescente em tempos de globalização e novas tecnologias. In: Congresso Internacional de Direito e Contemporaneidade: mídias e direitos da sociedade em rede, 2. 2013, Santa Maria. 2013, p. 795-808.

MACEDO, Yuri Miguel; ORNELLAS, Joaquim Lemos; DO BOMFIM, Helder Freitas. COVID–19 NO BRASIL: o que se espera para população subalternizada? Revista Encantar-Educação, Cultura e Sociedade, v. 2, p. 01-10, 2020.

MOREIRA, Antonio Flavio Barbosa; KRAMER, Sonia. Contemporaneidade, educação e tecnologia. Educação & Sociedade, v. 28, n. 100, p. 1037-1057, 2007.

NOLTE, Dorothy; HARRIS, Rachel. As crianças aprendem o que vivenciam. Sextante, 2003.

PAIVA, Natália Moraes Nolêto; COSTA, J. A influência da tecnologia na infância: desenvolvimento ou ameaça. Psicologia. pt, v. 1, p. 1-13, 2015.

RAU, M. C. T. D. A ludicidade na educação: uma atitude pedagógica. Curitiba: Ibpex, 2007.

ROBERTS, Michelle. Celular e tablet para crianças: passar muito tempo usando eletrônicos pode prejudicar o desenvolvimento. BBC, 2019. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/geral-47036386. Acesso em: 25 de maio de 2020.

RODRIGUES, Cassilda. O potencial educativo dos jogos digitais. Revista Linha Direta, v 35, n5, 2014

SAVI, Rafael; ULBRICHT, Vania Ribas. Jogos digitais educacionais: benefícios e desafios. RENOTE-Revista Novas Tecnologias na Educação, v.6, n.1, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.