A EDUCAÇÃO INFANTIL E O BILINGUISMO: a língua estrangeira no currículo escolar do primeiro período de uma escola privada na cidade de Ubá, MG

Lucimar Nunes, Patrícia Peluso Condé

Resumo


Este trabalho teve como finalidade avaliar o ensino bilíngue com o objetivo de verificar como a língua estrangeira é trabalhada com as crianças de primeiro período da Educação Infantil, investigando se, na opinião das professoras, a ludicidade seria a melhor abordagem para o ensino da disciplina de forma prazerosa e analisando se as docentes possuem formação para ministrar o conteúdo. Esta é uma pesquisa qualitativa e, também, um estudo de caso e tem como objetivo interpretar o fenômeno que observa. Para a realização do estudo, foi enviado um e-mail a duas professoras com um questionário elaborado no Google forms. Conclui-se que a ludicidade facilita o ensino bilíngue direcionado a crianças da Educação Infantil e a melhor abordagem para o ensino da língua estrangeira é com a utilização do lúdico, pois os jogos e brincadeiras atraem e prendem a atenção dos alunos, o que faz com que o aprendizado ocorra de forma leve e descontraída.


Palavras-chave


Educação infantil. Ensino bilíngue. Ludicidade.

Texto Completo:

PDF

Referências


ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso. Estudo de caso em pesquisa e avaliação educacional: Editora Liber Livros: Brasília, 2008. 68 p. (Série Pesquisa: Vol. 13)

BARROS, A. A.; SILVA, C. G. D. S.; ROCHA, M. A. P. D. & FREIRE, M. D. F. D. S. Lúdico na aprendizagem escolar, 2005.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, LDB. 9394/1996.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: Língua Estrangeira. Brasília: MECSTF, 1998.

BOCCATO, V. R. C. Metodologia da pesquisa bibliográfica na área odontológica e o artigo científico como forma de comunicação. Rev. Odontol. Univ. Cidade São Paulo, São Paulo, v. 18, n. 3, p. 265-274, 2006.

COSTA, A. V. O lúdico na sala de aula de língua portuguesa no fundamental II. Doctoral dissertation, Universidade de São Paulo, 2008.

CRUZ, LLM; FINHOLDT, CTD. O ensino-aprendizado da língua inglesa para crianças não alfabetizadas. FAZU em Revista, n. 07, 2011.

GOMES, T. F. Aquisição da segunda língua na primeira infância: a língua inglesa na educação infantil. 2013. 41 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Medianeira, 2013.

IZIDORO, S. C. A importância da língua inglesa na educação infantil. Faculdades Integradas de Jacareí, 2007.

LIMA, Laís Teixeira; DE FONSECA SOUZA, Sonia Maria; LUQUETTI, Eliana Crispim França. O ensino da habilidade oral da língua inglesa nas escolas públicas. Caderno do CNLF, Rio de Janeiro, v. 18, n. 10, 2014.

MACEDO, Lino de; PETTY, Ana Lúcia Sícoli, PASSOS, Norimar Christe. Os jogos e o lúdico na aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2005.

MARTINS, V. L. O lúdico no processo ensino-aprendizagem da língua inglesa. Revista Científica Intraciência Guarujá–SP, 2015.

MOON, J. (2000) Children Learning English. Oxford: MacMillan

NOGUEIRA, Z. P. Atividades lúdicas no ensino/aprendizagem de língua inglesa. Portal Dia-a-dia Educação, 967-4, 2008.

PARASURAMAN, A. Marketing research. 2. ed. Addison Wesley Publishing Company, 1991.

QUEIROZ, I.; de CARVALHO, R. C. M. A pesquisa no ensino de Língua Inglesa para crianças. Revista Interfaces, 1(1), 76-82, 2010

ROCHA, C. H. Provisões para Ensinar LE no Ensino Fundamental de 1ª a 4ª Séries: dos Parâmetros Oficiais e Objetivos dos Agentes. 340 p. Dissertação de mestrado (Mestrado em Linguística Aplicada), Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp. Campinas, 2006.

SILVA, Eliana Palmira da; FREITAS, Santa C. O lúdico, uma alternativa prazerosa de ensinar e aprender inglês. Paraná,2017.

SILVA, S. C. D.; ARANHA, M. S. F. Interação entre professora e alunos em salas de aula com proposta pedagógica de educação inclusiva. Revista Brasileira de educação especial, 11(3), 373-394. 2005.

SCHULTZ, L. M. J. A criança em situação de berçário e a formação do professor para a Educação Infantil. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), Marília, SP, 2004.

VIEIRA, C. Cultura em estéreo. Revista discutindo língua portuguesa, São Paulo, v.2, n.10, p.32-38. 2008

VILELA JUNIOR, Guanis de Barros. A pesquisa qualitativa.2010. Disponível em: www.guanis.org/metodologia/a_pesquisa_qualitativa.pdf. Acesso em: 13 de maio de 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.