COORDENAÇÃO MOTORA, VELOCIDADE E AGILIDADE DE ADOLESCENTES DE UMA ESCOLINHA DE FUTEBOL DE VIÇOSA-MG.

Bruno Marcolino Gonçalves, Anselmo Gomes Moura

Resumo


A prática regular de atividade física proporciona uma vida saudável e melhor desenvolvimento das capacidades físicas. Neste contexto, o futebol é uma importante ferramenta para adoção do estilo de vida saudável, principalmente na adolescência. O objetivo do presente estudo foi comparar o desempenho da coordenação motora, velocidade e agilidade entre adolescentes praticantes de futebol em escolinha. Participaram do estudo 26 jovens do sexo masculino entre 11 e 14 anos, que foram divididos em quanto ao tempo de prática, em dois grupos: 2 - 5 anos e 5 - 8 anos; e quanto a idade, em três grupos: 11 anos, 12 anos e 13-14 anos. Foram mensuradas a massa corporal e a estatura, e os avaliados foram submetidos ao teste de teste de drible entre cones para medir a coordenação motora, ao teste de corrida de 30 m para medir a velocidade e ao teste Shuttle Run para medir a agilidade. Os dados quanto ao tempo de prática foram comparados por meio do teste t de Student, enquanto que os dados por idade foram comparados por meio ANOVA one way. Todos com um nível de significância de 5%. Não houveram diferenças significativas entre as variáveis analisadas quanto a idade (p > 0,05), bem como não foram apresentadas diferenças na coordenação motora e agilidade entres os grupos separados pelo tempo de prática (p > 0,05). Porém, a velocidade mostrou-se superior em atletas que possuíam maior tempo de prática da modalidade (p < 0,05). Logo, a idade não influenciou as capacidades físicas, contudo praticantes com maior tempo de prática apresentaram maior velocidade.


Texto Completo:

PDF

Referências


ALVES, U. S. Não ao sedentarismo, sim à saúde: contribuições da Educação Física Escolar e dos esportes. Mundo da Saúde, v. 31, n. 1, p. 464-469, 2007.

BARBIERI, F. A.; BENITES, L. C.; MACHADO, A. A. Especialização precoce: algumas implicações relacionadas ao futebol e futsal. Em: Machado AA (organizador). Especialização esportiva precoce: perspectivas atuais da psicologia do esporte. Jundiaí: Fontoura; 2007.

BRAZ, T. V.; BORIN, J. P.; SPIGOLON, L. M. P.; CUNHA, S. A. Alteração da velocidade em jovens futebolistas brasileiros no período competitivo e sua relação com o conteúdo de treinamento. Andalúcia Medicina Deporte, v. 8, n. 3, p. 103–108, 2015.

BUZOLIN NETO, O.; BARBIERI, F. A.; BARBIERI, R. A.; GOBBI, L. T. B. Desempenho da agilidade, velocidade e coordenação de meninos praticantes e não praticantes de futebol. Fit Perf J, v. 8, n. 2, p. 110-4, 2009.

DANTAS, E. E. M. A prática da preparação física. 5. ed., Rio de Janeiro: Shape, 2003.

DREWS, R.; CARDOZO, P. L.; CORAZZA, S. T.; FLÔRES F. S. Análise do desempenho motor de escolares praticantes de futsal e voleibol. Revista de Motricidade, v. 9, n. 3, 2013, p. 105-116, 2013.

GOBBI, S.; VILLAR, R.; ZAGO, A. S. Bases teórico-práticas do condicionamento físico. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2005.

NETO, A. T.; ABREU, C.; LIBERALLI, R.; ALMEIDA, R. Análise da coordenação motora de uma equipe sub-11 de futebol de campo em Florianópolis. Revista Brasileira de Futsal e Futebol, v. 2, n. 4, p. 07-13, 2010.

SILVA, J. L. B.; SARAIVA, A. R.; MONTE JÚNIOR G. C.; PORTAL, M. N. D.; LIMA, J. R. P.; DANTAS, E. H. M. Qualidades físicas de escolares de 13 anos submetidos à formação esportiva tradicional. Fitness Performance Journal, v. 8, n. 6, p. 400-6, 2009.

STABELINI NETO A.; MASCARENHAS L. P. G; BOZZA, R; ULBRICH, A. Z; VASCONCELOS, I. Q. A; CAMPOS, W. Vo2máx e composição corporal durante a puberdade:comparação entre praticantes e não praticantes de treinamento sistematizado de futebol. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano. v.9, n. 2, p.159-164, 2007.

WEINECK J. Biologia do esporte. 7ª ed. São Paulo: Manole; 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.