AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE FUNCIONAL E APTIDÃO FÍSICA DE IDOSAS PRATICANTES E NÃO PRATICANTES DE GINÁSTICA NA CIDADE DE DORES DO TURVO-MG

Ana Claudia Fernandes Fialho, Romulo José Mota Junior, Sabrina Fontes Domingues, Victor Neiva Lavorato

Resumo


O processo de envelhecimento é comum a todo ser humano, sendo caracterizado por uma série de alterações, trazendo algumas perdas funcionais, em consequência de alguns componentes da capacidade física. A atividade física é importante, pois mantém o corpo em movimento, preservando sua força, equilíbrio e flexibilidade. O objetivo desta pesquisa foi avaliar a capacidade funcional e a aptidão física em idosas praticantes e não praticantes de ginástica. Foram selecionadas mulheres com idade a partir de 60 anos, da cidade de Dores do Turvo, sendo um grupo de idosas praticantes de ginástica e outro de idosas não praticantes. Como procedimento de coleta de dados, foi utilizado o questionário da escala de autopercepção do desempenho em atividades da vida diária para avaliação da capacidade funcional. A fim de avaliar a aptidão física, foram realizados os testes de levantar e sentar na cadeira, teste de flexão de braço, teste de sentar e alcançar os pés e o teste de alcançar as costas. As praticantes de ginástica obtiveram maior capacidade funcional e melhor desempenho no teste de sentar e levantar, quando comparadas às idosas não praticantes. Conclui-se que a prática de ginástica é eficaz para melhorar a capacidade funcional e parâmetros da aptidão física de idosos praticantes de atividade física.


Texto Completo:

PDF

Referências


ALVES, R V. et al. Aptidão física relacionada à saúde de idosos: influência da hidroginástica. Rev. Bras. Med. Esp., v. 10, n. 1, p. 31-37, 2004.

ANDREOTTI, R. A.; OKUMA, S. S. Validação de uma bateria de testes de atividade de vida diária para idosos fisicamente independentes. Revista Paulista de Educação Física, São Paulo, v. 13, n. 1, 1999.

ARAÚJO, F.; RIBEIRO, J. L. P.; OLIVEIRA, A.; PINTO, C.; MARTINS, T. Validação da escala de Lawton e Brody numa amostra de idosos não institucionalizados. In: LEAL, I.; PAIS-RIBEIRO, J.; SILVA, I.; MARQUES, S. Actas do 7º Congresso Nacional de Psicologia da Saúde, Lisboa, ISPA, p. 217-220, 2008.

BELÉM, P. L. O.; MELO, R. M. P.; MENEZES, T. N.; PEDRAZA, D. F. Auto avaliação do estado de saúde e fatores associados em idosos cadastrados na estratégia saúde da família de Campina Grande, Paraiba. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 19, n. 2, p. 265-276, 2016.

BIOLCHI, C. da S.; PORTELLA, M. R.; VARGAS, A. C.; SILVEIRA, M. M. da; COLUSSI, E. L. (2013, junho). A capacidade funcional de um grupo de idosos centenários. Revista Kairós Gerontologia Online,16(3), pp. 213-226, jun. 2013, São Paulo (SP), Brasil, FACHS/NEPE/PEPGG/ PUC-SP.

BORGES, M. R. R.; MOREIRA, A. K. Influências da prática de atividades físicas na terceira idade: estudo comparativo dos níveis de autonomia para o desempenho nas AVDs e AIVDs entre idosos fisicamente ativos e sedentários. Revista Motriz, Rio Claro, v. 15, n. 3, p. 562-573, jul./set. 2009.

CAPORICCI, S.; Neto, M. F. O. Estudo comparativo de idosos ativos e inativos através da avaliação das atividades da vida diária e medição da qualidade de vida. Motricidade, v. 7, n. 2, p. 15-24, 2011.

CIVINSKI, C.; BRAZ, A. L. O.; MONTIBELLER, A. A importância do exercício físico no envelhecimento. Revista da Unifebe, v. 9, p. 163-175, jan./jun. 2011.

DIAS, A. D. L. et al. Atividades de vida diária como preditores do estado cognitivo em idosos institucionalizados. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, n. 18, Porto, dez, 2017.

FELIX, J. Economia da longevidade: uma revisão da bibliografia brasileira sobre o envelhecimento populacional. VIII Encontro da Associação Brasileira de Economia da Saúde, p. 1-17, 2007.

KOPILER, D. A. Benefícios da reabilitação cardíaca em coronariopatas acima de 60 anos. Tese de Mestrado, UERJ, Rio de Janeiro, 1997.

MATSUDO, S. M.; MATSUDO, V. K. R.; NETO, T. L. B. Atividade física e envelhecimento: aspectos epidemiológicos. Revista Brasileira Medicina do Esporte, v. 7, n. 1, jan./fev. 2001.

MAZO, G. Z. et al. O exercício físico pode contribuir com mudanças positivas e aumentar a capacidade física do idoso. Nível de atividade física, condições de saúde e características sócio-demográficas de mulheres idosas brasileiras. Rev Port Cien Desp., v. 2, n. 5, p. 202-212, 2003.

RIKLI; JONES (1998).

ROMANO, T. A. et al. Prática de exercício físico na meia e terceira idade: um estudo comparativo dos níveis de capacidade funcional em praticantes de ginástica localizada e não praticantes. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, v. 12, n. 74, p. 370-376, 2018.

SILVA JÚNIOR, A. P.; VELARDI, M. Os benefícios da prática regular de atividade física no processo de envelhecimento. Caderno da Educação Física, Marechal Rondon, v. 7, n. 13, p. 63-69, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.